Conhecimento, respeito e inclusão!

A síndrome de Down é a síndrome genética considerada de ocorrência mais comum. A condição independe do sexo, idade, raça, crenças ou classe social de uma população.

É causada pela presença de um cromossomo a mais nas células, no momento da formação genética do bebê. Pode acarretar a ocorrência de alterações na formação do feto, alterações físicas ao longo da vida e diferentes graus de dificuldade de desenvolvimento após o nascimento do bebê.

Atualmente, a síndrome de Down é uma condição que vem sendo mais incluída em nossa sociedade, sendo comum encontrar indivíduos com a síndrome convivendo, trabalhando e aprendendo, nos mesmos ambientes que indivíduos que não possuem a mesma condição.

Até pouco tempo, tinha-se a visão de que uma criança com síndrome de Down não conseguiria desenvolver-se como as demais e inclusive, eram chamadas por nomes pejorativos. Porém, isto vem sendo desmistificado e sabemos hoje, que era um equívoco, pois essas pessoas têm capacidade de desenvolvimento semelhantes as demais, desde que sejam estimuladas de diversas formas, desde cedo. A diferença, é que estas podem levar mais tempo para processar uma informação, aprender ou desenvolver uma nova tarefa.

Diversas associações de crianças e adultos com síndrome de Down têm contribuído para essa mudança na sociedade. Um exemplo, é o movimento Down, que teve como iniciativa, a construção de uma cartilha de bebês e crianças, escritas por pais de crianças portadoras da condição, para auxiliar no cuidado e desenvolvimento de cada criança.

Este mesmo movimento, criou também, uma caderneta de saúde e uma curva de crescimento adaptada para crianças com síndrome de Down, uma vez que as mesmas têm diferentes características das demais. Traz ainda, informações acerca da síndrome ao longo da história, fornecendo dados de como instruir as demais crianças na inclusão, além de muitas outras orientações que visam a mudança de olhar e comportamento da sociedade, perante a  síndrome de Down.

Com conhecimento, respeito e amor, podemos contribuir ainda mais para a inclusão, em todos os âmbitos da sociedade, de crianças, jovens e adultos com síndrome de Down.