O que é hipertensão arterial sistêmica?

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) é uma condição clínica, causada por vários fatores, caracterizada por níveis elevados e sustentados de pressão arterial – PA (PA ≥140 x 90mmHg). Além de ser causa direta de cardiopatia hipertensiva, é fator de risco para doenças decorrentes de aterosclerose e trombose, que se manifestam, predominantemente, por complicações como doença arterial coronária, cerebrovascular, vascular periférica, insuficiência cardíaca e renal. A prevalência entre homens e mulheres, através de inquéritos populacionais é acima de 30%, intensificada à idade acima de 60 anos.

É consenso na literatura científica que o sucesso do tratamento da HAS e de suas complicações está condicionado às mudanças do estilo de vida, independente do tratamento medicamentoso, com destaque à redução dos fatores de riscos modificáveis: excesso de peso, alimentação inadequada, sedentarismo, tabagismo e consumo excessivo de álcool.

Sinais e sintomas:
– Precordialgia (dor no peito);
– Dor na nuca;
– Vertigem (tontura);
– Zumbido no ouvido;
– Fraqueza, distúrbios na visão (escotomas flutuantes);
– Epistaxe (sangramento nasal).

Como prevenir a Hipertensão Arterial Sistêmica:
– Procurar usar o mínimo de sal no preparo dos alimentos, recomenda-se 4 gramas de sal por dia (o equivalente a uma colher de chá), considerando todas as refeições e evitar deixar o saleiro na mesa;
– Ler sempre o rótulo dos alimentos industrializados, antes de compra-lo, atentando-se a quantidade de sódio presente (limite diário: 2000 mg de sódio);
– No preparo dos alimentos, procurar usar temperos naturais como alho, cebola, limão, cebolinha, salsinha, orégano, coentro, cominho, páprica, entre outros, pois realçam o sabor e o gosto dos alimentos e auxilia na redução do uso do sal. Evitar o uso de temperos prontos, atenção ao aditivo glutamato monossódico em alguns condimentos ou sopas, pois são ricos em sódio;
– Evitar alimentos embutidos como (salsicha, salame, linguiça e hambúrguer), enlatados ou em conserva (milho, palmito, azeitona, etc), molhos (ketchup, mostarda e maionese) e carnes salgadas (bacalhau, carne seca e defumados), devem ser evitados;
– Reduzir o consumo de gorduras e frituras, dar preferência a alimentos cozidos, assados ou grelhados;
– Limitar ou abolir a ingestão de bebidas alcoólicas e uso de cigarros, pois contribuem para a elevação da pressão arterial. O cigarro aumenta a resistência às medicações anti-hipertensivas, reduzindo o efeito esperado;
– Consumir diariamente pelo menos três porções de frutas e hortaliças, dar preferência a alimentos integrais, como pães, cereais e massas, pois são ricos em fibras e minerais;
– Realizar atividade física, no mínimo 30 minutos, cinco vezes na semana;
– Manter o peso saudável, a redução de 5 a 10% do peso corporal, é suficiente para reduzir a pressão arterial. O Índice de Massa Corpórea (IMC), deve ser inferior a 25 kg m² e a circunferência abdominal inferior a 94 cm para homens e 80 cm para mulheres;
– Controlar a ansiedade e o estresse.

Importante: Procurar um médico ao menor sinal, verificar regularmente a pressão arterial, realizar o acompanhamento ambulatorial com cardiologista e fazer uso dos medicamentos prescritos, diariamente e por toda a vida.